Afinal, quem mais atrapalha a gestão pública?

Publicado em   31/ago/2011
por  Caio Hostilio

Em minha opinião, é a política partidária, que disputa os cargos como se todos pudessem assumir determinadas posições estratégicas dentro de um organograma complexo, que na sua maioria é mais técnico que político. Talvez aí estejam os erros do gestor que foi eleito pelo povo para administrar.

Vejo movimentações e mudanças em todos os governos, seja ele o federal, o estadual e os municipais… Procuro não me atrever muito a escrever sobre esse assunto, visto que o eleito tem o direito de montar sua equipe. Todavia, vejo erros gritantes em algumas escolhas, visto que os nomeados não possuem capacidade técnicas para gerir determinadas pastas que requer um conhecimento acima das expectativas do escolhido.

Por outro lado, o gestor eleito tem que se submeter a determinadas nomeações, haja vista que as alianças e as articulações políticas levam o gestor a cometer erros de escolha, que com certeza comprometerão o desempenho que se espera.

Para um gestor é difícil contrariar interesses para fazer o que é certo. Entram sempre os caciques políticos e seus escolhidos, deixando, com isso, o gestor num mato sem cachorro. Mesmo que ele tenha toda a habilidade política para fazer movimentações em busca de melhorar o desempenho de seu governo, ele termina cobrindo um santo e descobrindo outro.

Na administração pública é muito difícil, podemos dizer que é impossível, prevalecer uma harmonia e, assim, impor a razão e não o erro na montagem de uma equipe de trabalho.

Fazer um governo técnico, hoje no Brasil, é completamente fora de propósito e sensatez, uma vez que o próprio eleitor cobra um governo político com benefícios.

Outro fator político que prejudica a administração pública é o período que separa as eleições no Brasil, ou seja, de dois em dois anos. Para a classe política em geral, porém, o processo eleitoral não tem uma data ou um período específico. Todo dia é dia de se preocupar com a eleição seguinte e já ir garantindo a manutenção no poder. Com esse pensamento, os políticos se engalfinham por postos chaves em gestões públicas, que possam lhe garantir apoio. Apesar de considerarem natural que os políticos pensem no longo prazo e projete a continuidade de suas carreiras, eles avaliam que a gestão pública e, conseqüentemente, a população saem bastante prejudicadas em virtude desse processo.

Para eles, os próprios governantes perdem ao se preocupar em demasia com a próxima eleição. Afinal, se deixarem de fazer um bom governo e se focarem apenas na disputa eleitoral, a eleição seguinte já estará comprometida.

É certo afirmar que o modelo político brasileiro é tratar equivocadamente a política como uma profissão e a coisa pública como propriedade privada. Para dar fim nisso, seriam necessário que fossem excluídos no organograma das gestões públicas os milhares de cargos comissionados. Com certeza os governantes ficariam livres de favorecer aliados com cargos na administração pública.

Portanto, vale ressaltar que ficar pensando muito em montar sua equipe não contrariando interesses, esquecendo, com isso, de nomear as pessoas certas para os lugares certos, pode trazer vários transtornos, jogando contra o seu próprio projeto político. Afinal, o jogo futuro depende, e muito, da avaliação do presente.

Compartilhe :

*/?>

  Publicado em: Governo

Deixe uma resposta

Contatos

hostiliocaio@hotmail.com

Assine o Blog

By signing up, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy.

Publicidade

Busca no Blog