É preciso saber dos avanços do Programa Saúde é Vida…

Publicado em   28/fev/2014
por  Caio Hostilio

Uma análise do diretor da Maternidade Marly Sarney, Dr. Frederico.

Prezados,
Fiz algumas análises sobre as internações efetuadas para partos e curetagens no Hospital e Maternidade Marly Sarney (HMMS) no ano de 2013. Observei que realizamos 6.595 partos e 781 curetagens (maiores números dos últimos cinco anos). Deste total de partos, 95,55% foram de gestantes oriundas das regionais de saúde 1, 7, 10 e 14, que compõem a Macro São Luís, sendo que a região 1 (São Luis) foi origem de 86,78% dos partos efetuadas, conforme a seguinte distribuição:

MUNICÍPIO
Nº DE PARTOS
%
ALCÂNTARA
03
0,05%
PAÇO DO LUMIAR
442
6,72%
RAPOSA
157
2,39%
SÃO JOSÉ DE RIBAMAR
584
8,87%
SÃO LUIS
4.525
68,75%

Conforme discutido e homologado na CIB/MA (na reunião que aprovou o Plano Regional da Rede Cegonha), o Hospital e Maternidade Marly Sarney é a referência para pré-natal de alo risco para três dos sete distritos sanitários de São Luis (Tirirical, Vila Esperança e Cohab-Anil), bem como para os municípios de São José de Ribamar e Paço do Lumiar. Este plano teve sua Etapa I aprovada pelo Ministério da Saúde através da Portaria GM/MS nº 1.595/ 2013 e deste modo, dos 86 leitos obstétricos existentes, no HMMS, 32 já estão habilitados para Gestação de Alto Risco apenas pelo Plano de Ação Regional São Luís. Ao passo que outras regionais de saúde tiverem seus planos homologados e aprovados na CIB/MA e pelo Ministério da Saúde, principalmente os das demais regiões que compõem a macro São Luís, será natural um fluxo maior de gestantes de alto risco a serem referenciadas para o nosso serviço. Isto nos exigirá um forte planejamento e organização para garantir a regulação responsável, assegurar o leito, efetuar o transporte adequado.

Atualmente em São Luís, dos .314 leitos públicos obstétricos cadastrados no CNES 129 (41%) estão sob direta administração e gestão da Secretaria do Estado de Saúde (SES). Por outro lado, apenas 13 (4,1%) destes leitos estão sobre administração direta da Secretaria Municipal de Saúde de são Luís (SEMUS), hoje a responsável pela regulação dos leitos obstétricos,através da ineficiente e inoperante CRONP (Central de Regulação de Leitos Obstétricos, Neonatais e Pediátricos) da SEMUS – São Luís.

No ano de 2013, foram efetuadas 1.202 transferências de pacientes por esta unidade, entre parturientes, puérperas e recém-nascidos, com média de 3,3 pacientes./dia Sessenta desteseram puérperas graves e que foram transferidas para Unidades de Terapias Intensiva (UTI), mas nenhum destes leitos foi disponibilizado pela CRONP. De modo semelhante, diariamente o HMMS solicita a informação sobre a disponibilidade de leitos em outras maternidades, informação frequentemente postergada, e incorretas, quando disponibilizadas, De modo prático, mas ainda impreciso, temos feito contato diretos com outras maternidades, fazendo tanto o papel de assistencial e de regulação.

Atualmente, nossa maior dificuldade é o excesso de parturientes de baixo risco gestacional que espontaneamente procuram nosso serviço e que são responsáveis pela comum superlotação existente. De igual modo, a transferência deste excedente de parturientes através de contato direto com algumas maternidades, tem sido motivo de frequentes conflitos entre equipes e instituições.Com a nítida ampliação da Rede Estadual de Saúde, principalmente pela expansão da assistência obstétrica hospitalar haverá maior necessidade de regulação e transferência das gestantes de alto risco, principalmente com os serviços de Barreirinhas, Rosário, Morros, Sao José de Ribamar, Monção, Chapadina e Ipecuru Mirim.

Deste modo, acredito que a Regulação de Leitos Obstétricos deveria ser feita pela Central Interna de Leitos (CIL), que a cada dia se torna mais ágil e eficiente, capaz de regular os leitos da maior parte dos serviços obstétricos deste município através do HMMS, Complexo Materno Infantil, Maternidade Maria do Amparo, Santa Casa de Misericórdia e Maternidade Nossa senhora da Penha,.Inicialmente somente veria dificuldade na regulação de leitos do HU-UFMA e Maternidade Nazira Assub.

Em anexo um demonstrativo do percentual de partos ocorridos no HMMS, considerando a cidade de residência da parturiente. Chama a atenção o grande volume de gestantes de Paço do Lumiar atendidas no HMMS, o que primordialmente não são se caracteriza como gestantes de alto risco, mas uma demanda existente decorrente do vazio assistencial ao parto de baixo risco, vaginal ou cirúrgico, existente nesse município.

1780743_1467196073499640_949389874_n

Compartilhe :

*/?>

  Publicado em: Governo

Deixe uma resposta

Contatos

hostiliocaio@hotmail.com

Assine o Blog

By signing up, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy.

Publicidade

Busca no Blog